Fenescência

 
De roze boomgaard — óleo sobre tela — Vincent van Gogh —cerca de 1888

De roze boomgaard — óleo sobre tela — Vincent van Gogh —cerca de 1888

Porque tudo que é belo, lentamente.
Perde brilho, frescor, vivacidade…
A flor perdendo a cor e a claridade
Murchava inelutável à tua frente!

Assim também os olhos de inocente
Que na infância luziam sem maldade
E agora, com total perplexidade,
Fartos de ver esperam tão-somente…

Eu e tu temos amado quanto é belo,
Mas de ipês o mais vívido amarelo
Contemplamos extáticos ano a ano.

Pois mesmo a fenescência d’estas flores,
Alcatifando o chão de belas cores
Nos traz da decadência um áureo engano.

Matozinhos — 22 10 2019

~

~
Leia também